Categoria: Novembro Azul

Novembro Azul: saúde do homem

Os homens brasileiros vivem, em média, 7,2 anos a menos que as mulheres, segundo uma pesquisa do Centro de Referência em Saúde do Homem em São Paulo. Isso deixa você surpreso? Geralmente, eles cuidam bem menos da saúde – isso inclui aspectos como alimentação, rotina de exercícios físicos e check-up. Estamos no Novembro Azul, um mês importantíssimo para a conscientização masculina a respeito do câncer de próstata. Esse tipo de câncer é o segundo mais comum entre os homens, segundo o INCA. 

A próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino, que produz e armazena parte do fluido seminal. Quando falamos do câncer de próstata estamos falando do tumor mais comum em homens acima de 50 anos. Os fatores de risco incluem idade avançada (mais de 50 anos), histórico familiar da doença, fatores hormonais e ambientais e certos hábitos alimentares (dieta rica em gorduras e pobre em alimentos de verdade: verduras, vegetais e frutas), sedentarismo e excesso de peso.

Muitos homens ainda enxergam as consultas médicas apenas como emergenciais, ou seja, somente quando algum sintoma surge e com ele algum tipo de incômodo ou dor. É preciso que o cuidado com a saúde seja preventivo, só assim será possível ter mais qualidade de vida. O PSA, antígeno prostático específico, é o marcador mais utilizado para diagnosticar qualquer tipo de alteração na próstata e, consequentemente, o câncer.

A adoção de hábitos saudáveis, a prática de atividade física regular, a alimentação balanceada e o uso moderado de bebidas alcoólicas são cruciais para diminuir as chances de desenvolver doenças. Além disso, um check-up anual deve fazer parte da vida dos homens e ser visto como uma oportunidade de ter um olhar mais atento à saúde. 

Para aqueles com histórico familiar de câncer de próstata antes dos 60 anos e assintomáticos, a recomendação também é consultar um médico, pois somente ele pode orientar quanto aos riscos e benefícios da realização dos exames. Vale lembrar que o câncer de próstata é considerado de terceira idade, já que ¾ dos casos acontecem a partir dos 65 anos e o risco pode ser maior em quem tem histórico familiar da doença.

E por falar em saúde, bem-estar e prevenção do câncer de próstata não podemos deixar de mencionar a necessidade de cuidar também da saúde mental. A melhor maneira de fazer isso é colocando em prática o autocuidado. Tudo bem se você tiver uma rotina agitadíssima, cuidar de toda sua família e ter uma enorme responsabilidade com as demandas na sua casa e trabalho, a maioria das pessoas vive isso. O que não pode é abandonar suas necessidades básicas, ou seja, alimentação saudável, cuidado com o corpo e mente, prevenção de doenças e, se for o caso, cuidados com o rastreamento e acompanhamento daquelas que você já tem. 

Hábitos saudáveis e cuidados preventivos desempenham um papel fundamental na prevenção de doenças e qualidade de vida!

Conte com o Gerardo Trindade para cuidar da sua saúde!

Novembro Azul: vamos tocar neste assunto?

No Brasil, os homens vivem em média sete anos a menos que as mulheres (IBGE). Essa disparidade reforça a necessidade de cuidar da saúde de forma geral, que geralmente é uma preocupação somente das mulheres.

Durante o Novembro Azul, o câncer de próstata – tipo mais comum depois do câncer de pele não melanoma – recebe uma atenção especial. Segundo estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca), foram previstos 68.220 novos casos da doença no país para 2018.

A próstata é uma glândula que se encontra debaixo da bexiga e em frente ao reto, envolvendo a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. Ela produz parte do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozóides, liberado durante o ato sexual.

A prevenção começa pelos bons hábitos; alimentação equilibrada, atividades físicas e o não consumo de álcool e cigarro. É comprovado que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, principalmente as de origem animal –  ajuda a diminuir o risco de câncer. A prática de atividades físicas pelo menos 30 minutos por dia, a preocupação com o peso adequado e o não consumo de álcool e cigarro também são hábitos fundamentais quando o assunto é prevenção.

Os fatores de risco também são importantes para reconhecermos a necessidade de acompanhamento médico. Tanto a incidência como a mortalidade do câncer de próstata aumentam após os 50 anos. O histórico familiar também merece atenção, porque aumentam significativamente o risco de desenvolver a doença. Neste caso, os homens devem iniciar a rotina de exames a partir dos 40 anos. Já aqueles que não possuem casos na família podem começar o acompanhamento médico regular, a partir dos 50 anos.

Como nem sempre o câncer de próstata apresenta sinais, uma saída é a realização de exames de rastreamento (PSA e toque retal). O PSA, ainda desconhecido por muitos homens, é uma medida de diagnóstico precoce. Trata-se de uma substância produzida pelas células da próstata. Quando há um aumento do número de células produtoras, como no caso do câncer de próstata e da inflamação da próstata, o PSA é elevado e serve como indicador dessas alterações (medida considerada normal: quatro nanogramas por mililitro).

Quando a doença apresenta sintomas é muito fácil confundir com o crescimento benigno da próstata, ou seja, dificuldade de urinar, urgência de urinar mais vezes, pouco fluxo urinário ou demora para começar a urinar e sensação de que a bexiga não esvazia completamente.

Conte com o Laboratório Gerardo Trindade para cuidar da sua saúde!

Precisamos falar sobre o Câncer de Próstata

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos e considerando ambos os sexos é o quarto tipo mais comum e o segundo mais incidente entre os homens. A taxa de incidência é maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento.

Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida.

Uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, principalmente as de origem animal, ajuda a diminuir o risco de câncer, como também de outras doenças crônicas não-transmissíveis. Nesse sentido, outros hábitos saudáveis também são recomendados, como fazer, no mínimo, 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool e não fumar.

A idade é um fator de risco importante para o câncer de próstata, uma vez que tanto a incidência como a mortalidade aumentam significativamente após os 50 anos.

Pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos pode aumentar o risco de se ter a doença de 3 a 10 vezes comparado à população em geral, podendo refletir tanto fatores genéticos (hereditários) quanto hábitos alimentares ou estilo de vida de risco de algumas famílias.

O antígeno prostático específico (PSA) é usado principalmente para pesquisar câncer de próstata em homens assintomáticos. É também um dos primeiros exames realizados em homens que apresentam sintomas que podem ser causados ​​pelo câncer de próstata.

O PSA também pode ser útil após o diagnóstico do câncer de próstata:

  • Nos homens diagnosticados com câncer de próstata, o PSA pode ser usado em conjunto com os resultados do exame físico e do estadiamento da doença para decidir se são necessários outros exames, como tomografia computadorizada ou cintilografia óssea.
  • O PSA é parte do estadiamento e ajuda a prever se a doença ainda está confinada à próstata. Se o nível do PSA é muito alto, a doença provavelmente está disseminada, o que influenciará na escolha das opções de tratamento.
  • O exame PSA também é uma parte importante do monitoramento do câncer de próstata durante e após o tratamento.

Fonte: Inca.

Novembro Azul e a Importância do PSA

O câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens no Brasil. O diagnóstico precoce pode aumentar em 90% as chances de cura. Por isso, o objetivo do Novembro Azul é levar informação e reduzir os números de mortes por causa da doença. O que muitos não sabem é que um simples exame de sangue, conhecido como PSA, pode ser a salvação. Os médicos recomendam que o primeiro PSA seja feito aos 50 anos, para a maioria dos homens, e aos 45 para aqueles que têm histórico de câncer na família. No entanto, para um diagnóstico mais preciso, os médicos recomendam também o toque retal, visto que ele é, ainda, a melhor maneira de detectar precocemente o câncer de próstata.

A maioria dos homens sem câncer de próstata tem níveis de PSA inferiores a 4 nanogramas por mililitro (ng /mL) de sangue. A chance de um homem desenvolver câncer de próstata aumenta proporcionalmente com o aumento do nível do PSA. Geralmente, quando o câncer de próstata está presente o nível do PSA está acima de 4 ng/ml. Entretanto, um nível abaixo desse valor não significa que o câncer não esteja presente. Cerca de 15% dos homens com PSA abaixo de 4 ng/ml são diagnosticados com câncer de próstata na biópsia.

Os homens com níveis de PSA entre 4 ng/ml e 10 ng/ml, têm uma chance em 4 de ter a doença. Se o PSA se encontra acima de 10 ng/ml, a possibilidade de ter câncer de próstata é superior a 50%.

Se o nível do PSA de um paciente é elevado, o médico pode sugerir a repetição do exame após um determinado intervalo de tempo ou a realização de uma biópsia da próstata para fechar o diagnóstico. Nem todos os médicos concordam com o mesmo ponto de corte do PSA para sugerir uma biópsia, alguns sugerem a realização de biópsia se o PSA é ≥ 4, enquanto outros podem recomendá-la a partir de ≥ 2,5. Outros fatores, como idade, raça e histórico familiar do paciente, também são considerados.

Além disso, o PSA também pode ser útil após o diagnóstico do câncer de próstata:

Nos homens diagnosticados com câncer de próstata, o PSA pode ser usado em conjunto com os resultados do exame físico e do estadiamento da doença para decidir se são necessários outros exames, como tomografia computadorizada e cintilografia óssea.

O PSA é parte do estadiamento e ajuda a prever se a doença ainda está confinada à próstata. Se o nível do PSA é muito alto, a doença provavelmente está disseminada, o que influenciará na escolha das opções de tratamento. O exame PSA também é uma parte importante do monitoramento do câncer de próstata durante e após o tratamento.

Fonte: American Cancer Society