Categoria: Gripe

Gripe, resfriado ou covid-19: a importância da vacinação e testagem na diferenciação e prevenção das viroses

Gripe, resfriado e covid-19 por muitas vezes podem ser confundidas, porém são doenças distintas. A gripe é uma infecção viral do aparelho respiratório provocada pelo vírus influenza, que ataca os pulmões, o nariz e a garganta e pode evoluir para uma pneumonia. Assim como em casos de infecções causadas pelo vírus SARS COV2, os sintomas incluem febre, calafrios, tosse, dores de cabeça e fadiga. Por isso, as doenças podem ser facilmente confundidas. Tanto a gripe e a covid-19 podem evoluir para formas mais graves em algumas populações específicas, como idosos e imunodeprimidos, por exemplo. Já o resfriado causado por rinovírus, que também apresenta sintomas respiratórios, tem evolução benigna e sem sequelas.

Desde sempre a vacinação é necessária para o controle e contenção de doenças graves, além de um direito fundamental social que está previsto na Constituição Federal. Quando o assunto é gripe, resfriado e covid-19 não podemos nos descuidar, ainda mais no inverno. Em relação à vacina contra a gripe – causada pelo vírus influenza –, por exemplo, uma das mais seguras e eficientes no quesito de prevenção, estudos demonstram que ela reduz entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da doença. Já a vacinação contra a covid-19 mostrou a sua eficiência ao reduzir em poucos meses a internação e morte de pessoas idosas. Por isso, a vacinação contra os vírus influenza e SARS COV2 – disponíveis na rede pública – são essenciais na prevenção individual da gripe e covid-19 e redução da circulação do vírus na comunidade, o que reduz drasticamente o número de internações hospitalares e mortes na população brasileira.

Confira no quadro a seguir as diferenças entre os sintomas da covid-19, do resfriado e da gripe:

Testagem para COVID-19 e influenza

A testagem e identificação viral é tão essencial quanto a vacinação no controle da covid-19, porque são estratégias comprovadamente eficazes, já que tornam possível a identificação da pessoa contaminada e seu isolamento dos demais para evitar a disseminação do vírus. Existem dois testes indicados para suspeita de infecção/doença pelo vírus SARS COV2, ambos são feitos pela inoculação de swab na mucosa nasal e identificam se a pessoa é portadora do vírus ou não no momento da coleta: RT-PCR e pesquisa de antígeno viral. A diferença entre os testes é o alvo pesquisado para identificar a presença do vírus: o RT-PCR pesquisa a presença do RNA viral e o teste do antígeno pesquisa a proteína nucleocapsídeo. A sensibilidade do RT-PCR é maior que o teste do antígeno e consegue detectar a infecção em um estágio mais inicial, porém, a liberação do resultado é um pouco mais demorado que do teste do antígeno, que é liberado em até 30 minutos após a coleta do material.

Já os testes sorológicos para covid-19 pesquisam a presença de anticorpos específicos contra o vírus. Estes testes não são indicados para confirmação de infecção e sim para verificação do estado imunológico, ou seja, se o organismo reagiu ou não ao vírus e em qual proporção. Normalmente, são pesquisados de forma isolada os anticorpos IgM (produzidos no início da infecção) e IgG (produzidos mais tardiamente e que permanecem como marcadores de proteção no organismo). Outros anticorpos – como o IgA – não tem tanto significado clínico e não são habitualmente pesquisados de forma isolada. Existem diversos testes sorológicos disponíveis no Gerardo Trindade, porém, três se destacam por sua indicação clínica e qualidade técnica:

  • pesquisa quantitativa de anticorpos anti-nucleocapsídeo (N) por fluorometria
  • pesquisa quantitativa de anticorpos anti-RBD por quimioluminescência
  • pesquisa quantitativa de anticorpos neutralizantes por quimioluminescência

Além dos testes específicos para covid-19, existe um teste específico para detectar a presença dos subtipos específicos do vírus da gripe que podem causar sintomas mais graves, como os tipos A e B, subtipos A-H1N1 e A-H3N2. O teste é feito pela inoculação de swab na mucosa nasal e identifica a presença do vírus, podendo ser feito em paralelo ao teste do antígeno ou RT-PCR para covid-19 para diferenciar as duas infecções.

Confira nas tabelas a seguir a indicação dos testes disponíveis para covid-19 e influenza no Gerardo Trindade e o prazo de liberação dos resultados:

Faça sua parte, vacine-se quando chegar a sua vez. Não se descuide, use máscara, mantenha o distanciamento e higienize sempre as mãos, faça por você, pela sua família, pelos seus amigos e por todos os demais!

Conte com o Gerardo Trindade para cuidar da sua saúde!

Gripes, resfriados e viroses

Apesar de serem doenças distintas, gripe e resfriado são frequentemente confundidos. Além disso, o termo “virose” também é comumente empregado pelos médicos, o que pode confundir ainda mais os pacientes, que podem reagir com descrédito (desnecessário) diante deste diagnóstico.

O resfriado pode ser provocado por diferentes vírus respiratórios (rinovírus, adenovírus, parainfluenza e até mesmo o vírus influenza, entre outros) e se caracteriza por apresentar, predominantemente, sintomas de vias aéreas superiores, como coriza, obstrução nasal, prurido nasal, dor de garganta, conjuntivite, podendo ocorrer tosse. Os pacientes apresentam pouca ou nenhuma febre ou comprometimento do estado geral.

A gripe é provocada exclusivamente pelo vírus influenza e, além de apresentar os sintomas de vias aéreas superiores (nariz, garganta) e inferiores (brônquios e pulmões) em maior intensidade que o resfriado, caracteriza-se por maior comprometimento do estado geral e febre.

“Virose é qualquer infecção causada por vírus”. Ou seja, este termo engloba a gripe, os resfriados e outras infecções virais. As infecções agudas das vias aéreas são causadas por vírus de vários tipos ou por bactérias. Frequentemente, descobrir qual é o vírus que está causando os sintomas não é tarefa simples, e os exames para este fim são demorados e caros. Além disso, as infecções causadas por vírus são tratadas de forma semelhante, independente de qual vírus seja. Por este motivo, após descartarem que a infecção seja causada por bactérias, os médicos costumam utilizar o termo virose, sendo isto suficiente para orientar o tratamento sintomático adequado e com segurança.

Ocasionalmente, ocorrem surtos de viroses específicas como a dengue ou gripe H1N1 (“suína”). Se o médico suspeitar dessas viroses, poderá solicitar pesquisa sorológica sanguínea, devido sua maior gravidade e maior chance de complicações ao longo da doença.

Sintomas da Gripe

A gripe tipicamente se caracteriza por ser um quadro febril de início súbito. A febre, que usualmente é o sintoma mais importante, pode ser elevada e costuma ser acompanhada de calafrios, dor muscular (principalmente em pernas e região lombar), dor de cabeça e prostração; ocasionalmente pode ocorrer artralgia (dor nas articulações). Posteriormente, surgem os sintomas respiratórios, tais como, tosse, dor de garganta e congestão nasal. Frequentemente há queixa de dor e/ou de irritação ocular e fotofobia. Caracteristicamente, os sintomas duram cerca de dois a cinco dias, apesar de que em alguns casos a febre pode persistir por uma semana.

Uma minoria de pacientes, principalmente os idosos, pode desenvolver um quadro de adinamia (fraqueza muscular) intensa, que persiste por semanas após o quadro gripal (astenia pós-influenza – diminuição da força física). Não existe uma explicação convincente para este comportamento. É importante destacar que a infecção pelo vírus influenza pode ser mais branda e se manifestar apenas como um resfriado comum.

Quais os sinais de alarme para uma possível infecção bacteriana ou viral grave?

As viroses costumam acabar no período de uma semana, mas as infecções de origem bacteriana, que têm sintomas similares, demandam tratamento com antibióticos. Convulsões, secreção amarelada, dor torácica, dificuldade para respirar ou o retorno da febre após ter regredido podem ser indicativos de infecção bacteriana.. Prostração intensa, tontura ao levantar-se, diminuição do volume urinário e urina concentrada (fortemente amarelada) são sinais de desidratação e maior gravidade, devendo receber rápida assistência médica.

Tratamento do resfriado, gripe e viroses respiratórias

As infecções virais são auto-limitadas, ou seja, têm cura espontânea após cerca de 4 a 7 dias, mesmo sem a utilização de qualquer medicamento. Entretanto, algumas medidas podem reduzir as chances de complicações ao longo da doença, além de oferecerem maior conforto e alívio dos sintomas.

O principal é garantir uma boa hidratação. Isso irá fortalecer a imunidade contra a infecção e fluidificar as secreções. Deve-se evitar esforço físico, mas permanecer deitado durante períodos prolongados pode acumular secreção no pulmão.

Deve-se usar analgésicos e antitérmicos, com recomendação para evitar o ácido acetilsalicílico e dar preferência ao paracetamol e à dipirona, se tiver febre e dor. Pode ser indicado o uso de descongestionantes nasais para afastar o desconforto do nariz obstruído, além de auxiliar na eliminação da secreção nasal, reduzindo a chance de complicar com sinusite aguda.

O uso de xaropes para tosse costuma não ser tão eficaz quanto imaginado pelos doentes. Não deve ser utilizado por todos os doentes com tosse, e sim para alguns casos específicos. Inalações com broncodilatadores podem também ser prescritas auxiliando a eliminação de secreção brônquica em alguns casos.

Por que não devemos usar antibióticos para tratar gripe, resfriados e viroses?

Cuidado com o uso indiscriminado de antibióticos: eles não surtem efeito em viroses e podem causar efeitos colaterais, como reações alérgicas, além disso, o uso desnecessário de antibióticos altera a flora bacteriana normal do indivíduo, propiciando infecções. Para a saúde coletiva, representa o desenvolvimento de germes cada vez mais virulentos devido à resistência em relação aos remédios.

Fonte:  www.pneumo.com.br, Dr. Marcelo Jorge de Souza.