Categoria: Gravidez

B-HCG quantitativo: a importância desde exame no início da gestação

O B-HCG, hormônio gonadotrofina coriônica,  normalmente é usado para detectar a gravidez, causando bastante ansiedade nas mamães até que o resultado seja liberado. Normalmente, 10 a 15 dias após a fecundação já se consegue detectar o B-HCG no sangue materno, período que equivale à aproximadamente à data que a mulher iria menstruar, se não estivesse grávida.

Mas além de ser útil para detectar a gestação, o B-HCG tem uma função muito importante: monitorar a evolução inicial da gestação, sendo muito importante para prever abortos espontâneos e até detectar gravidez ectópica, que ocorre fora do útero, normalmente nas trompas. Por isso, a importância da realização de dosagens seriadas e quantitativas do hormônio no início da gestação. No Gerardo Trindade, este exame é liberado em até duas horas. Você vai entender por que este prazo é tão importante. Leia abaixo!

Primeiramente, vamos entender a relação B-HCG X progesterona

Por volta de 6 a 8 dias após a fecundação, logo que o embrião é implantado no útero, começa a produção do hormônio BHCG, inicialmente produzido pelo embrião (nessa fase inicial chamado de trofoblasto) e depois pela placenta materna. O papel principal do BHCG nesta fase é manter os níveis do hormônio progesterona elevados na gestante. Além disso, o B-HCG é responsável pelo aumento dos seios maternos, já preparando-os para a futura amamentação.

E por que é tão importante manter a progesterona em níveis elevados na gestação? Entendendo como a progesterona age no útero materno

A progesterona é um hormônio produzido em intervalos regulares e mensais pelos ovários na mulher não-grávida, sendo responsável por regular o ciclo menstrual da mulher e preparar o útero – espessando o endométrio, camada interna do útero –  para receber o óvulo fertilizado caso ocorra gravidez, evitando que o mesmo seja expulso pelo corpo. 

Normalmente, os níveis de progesterona aumentam após a ovulação e mantêm-se altos caso exista uma gravidez, para que o endométrio uterino continue espesso e se desenvolvendo, evitando que ocorra um aborto espontâneo. No entanto, caso não exista gravidez, os ovários deixam de produzir progesterona e, por isso, o endométrio uterino é destruído e eliminado naturalmente através da menstruação.  Acompanhe abaixo um ciclo menstrual onde não ocorre a fecundação para entender a oscilação natural dos hormônios femininos e o espessamento do endométrio ao longo do mês.

Ciclo Menstrual e Gravidez | Ciências na mosca 9º ano
O que os níveis de B-HCG contam sobre a evolução da gestação

Agora que já sabemos a importância de se manter o nível de progesterona adequado, vamos entender o que os níveis do B-HCG nos contam e porque é tão importante monitorá-lo durante a gravidez, especialmente nos primeiros meses.

O B-HCG começa a ser produzido – inicialmente pelo embrião – 6 a 8 dias após a fecundação, logo após a implantação deste no útero, e depois a produção do hormônio passa a ocorrer na placenta materna. As concentrações de B-HCG duplicam aproximadamente a cada 1,5 a 3 dias nas primeiras seis semanas e continuam a aumentar até o fim do primeiro trimestre, diminuindo gradualmente para um nível mais baixo durante o tempo restante da gravidez. Após o parto, o B-HCG volta a ser  inferior a 5 mUI/mL e é normalmente indetectável durante vários dias no pós-parto. 

Durante a gravidez, níveis de B-HCG abaixo dos esperados ou em rápida diminuição podem indicar um estado anormal, tal como uma gravidez ectópica (fora do útero, nas trompas) ou a ocorrência de um aborto espontâneo. Por isso a importância do monitoramento contínuo do hormônio nos meses iniciais da gestação. E a liberação do resultado precisa ser feita de forma ágil para permitir a intervenção médica a tempo de evitar um aborto, por exemplo.

Um gráfico que mostra os níveis de hCG durante a gravidez com as semanas de gestação no eixo xe os níveis de hCG no eixo y.

Observe que por volta da 10ª semana de gestação os níveis de B-HCG vão diminuindo naturalmente. Acompanhe os valores de referência esperados para as mulheres grávidas por tempo de gestação (semanas desde o LPM*):

03 semanas: 5,0 a 50,0 mUI/mL

04 semanas: 5,0 a 426,0 mUI/mL

05 semanas: 18,0 a 7.340,0 mUI/mL

06 semanas: 158,0 a 31.795,0 mUI/mL

07 a 08 semanas: 7.650,0 a 229.000,0 mUI/mL

09 a 12 semanas: 63.803,0 a 151.410,0 mUI/mL

13 a 16 semanas: 13.300,0 a 254.000,0 mUI/mL

17 a 24 semanas: 4.060,0 a 165.400,0 mUI/mL

 25 a 40 semanas: 3.640,0 a 117.000,0 mUI/mL

 * LPM: data do último período menstrual, contada a partir do seu primeiro dia.

Agora que você entendeu a importância da dosagem seriada do B-HCG no início da gestação, saiba que o Laboratório Gerardo Trindade libera o resultado do exame B-HCG em até duas horas após a coleta. Conte conosco para acompanhar sua gravidez!


Gravidez e check-up

“Gravidez não é doença”, já dizem por aí, pelo contrário, é sinal de que a mulher está esbanjando saúde. No entanto, é imprescindível que durante este período a mulher redobre os cuidados em relação à alimentação, tenha hábitos saudáveis e uma rotina de consultas e exames de acordo com a orientação do seu médico de confiança!

Como na gravidez as transformações não param de acontecer até o último mês, acompanhar tudo isso bem de pertinho é muito importante para garantir a saúde da mamãe e do bebê. A diabetes gestacional e a hipertensão arterial, por exemplo, são doenças que precisam ser acompanhadas com muito cuidado depois de diagnosticadas. Além disso, doenças infectocontagiosas (sífilis, HIV, entre outras) precisam ser descartadas ou, se for o caso, diagnosticadas para que haja o controle sobre elas durante todo período da gestação. 

Confira na tabela abaixo os principais exames solicitados durante essa fase tão linda e transformadora na vida da mulher:

EXAMES LABORATORIAISPOR QUÊ?
HemogramaDetecta, principalmente, anemias e infecções

Tipagem
sanguínea
Se a gestante for Rh negativo é importante que ela, logo após o parto, receba soro anti-D para evitar que em uma gravidez futura haja produção de anticorpos contra as hemácias do feto
Glicemia em jejum e pós-dextrosolAvaliam o nível de glicose (açúcar) no sangue e detectam/monitoram a diabetes gestacional
TSH e T4 livreavaliam a tireoide da gestante; o hipotireoidismo da mãe pode afetar o bebê
Urina rotina, ureia e creatinina Avaliam a função renal da mamãe

Urocultura 
Identifica a presença de bactérias, responsáveis por infecções urinárias (muito comuns durante a gestação)
Proteinúria


Avalia possíveis danos aos rins em casos de gestantes hipertensas





Toxoplasmose IgG e IgM
Identificam se a gestante já teve contato com o protozoário da toxoplasmose, que pode causar doenças congênitas na criança, inclusive cegueira, surdez e danos ao sistema nervoso
Rubéola IgG e IgMIdentificam se a gestante já teve contato com o vírus da rubéola, que pode causar doenças congênitas no feto
VDRL e FTA-ABSAvaliam a imunidade da gestante contra a bactéria causadora da sífilis
HIV, antiDetecta precocemente o HIV 
HCV, antiA detecção do HCV na gestante é fundamental para o acompanhamento da criança após o parto
Citomegalovírus IgG e IgMIdentificam se a gestante já teve contato com o citomegalovírus, que pode provocar abortos espontâneos
HBsAgIdentifica de forma precoce a hepatite B

Toda mamãe quer ter uma gestação tranquila, segura e saudável, não é verdade? Por isso, não deixe de tomar os devidos cuidados com a sua saúde! 

Aqui no Gerardo Trindade você pode realizar não só esses exames tão importantes quanto o exame de sexagem fetal, que revela o sexo do seu bebê a partir da 8ª semana de gestação! ❤

Check-up na gravidez: o que você precisa saber

A gravidez é um momento intenso e memorável na vida da mulher e de toda família, mas esse momento especial pede atenção à altura já que a mãe passa por uma série de transformações ao longo dos nove meses de gestação.

De repente, você descobre um lado passional que nunca pensou que tinha. As lágrimas e o choro desenfreado aparecem, reflexo das mudanças no seu organismo. Os olhos marejados estão lá, firmes e fortes (ou quase isso).

A boca, que era super saudável antes da gravidez, parece mais fragilizada e a gengivite pode aparecer e surgir até sangramento gengival. Isso se deve à elevação da progesterona na gestação. A mamãe deve redobrar os cuidados com a higiene bucal e fazer visitas periódicas ao dentista nessa etapa.

Os quilinhos a mais também dão as caras, o ideal é que a mais nova mamãe engorde de 8 a 12 quilos. Náusea e vômitos, sobretudo pela manhã, os famosos enjoos matinais, são comuns. Isso pode ser decorrente dos níveis elevados de estrogênio e gonadotrofina coriônica humana, dois hormônios que ajudam a manter a gestação. Tudo isso e mais um pouco faz parte do pacotinho mais lindo e amado, chamado gravidez!

A lista continua, filtro solar é fundamental devido à maior produção de melanina na pele, que pode causar os tão temidos melasmas no rosto!  As pernas e pés ficam mais inchadas e pedem mais descanso. O sono e cansaço às vezes parecem desproporcionais, mas lembre-se: você está gerando um ser e todo esse desconforto é passageiro!

Você também vai se dar conta de que os seus cabelos ganharam mais vida. Gratidão aos hormônios progesterona e estradiol. A progesterona irá aumentar o ritmo de crescimento do cabelo e o estradiol, por sua vez, a produção das glândulas sebáceas. Dessa forma, o fio tende a ficar mais oleoso e macio.

Quando o assunto é gravidez, as descobertas e transformações parecem não ter fim, não é verdade? Pois é, o acompanhamento, a orientação e a realização de exames solicitados pelo seu médico são imprescindíveis durante esse período para detectar e acompanhar problemas de saúde que podem colocar em risco a saúde da mamãe, como a diabetes gestacional e hipertensão arterial. É importante dar atenção a esta última,  que pode levar à eclampsia, se não for controlada, e também doenças infectocontagiosas que podem ser passadas ao bebê se não forem devidamente controladas ou tratadas durante a gravidez, como a sífilis, o HIV e outras.

E tem exame especial para a mamãe que está ansiosa para saber o sexo do bebê e já dar início à preparação do enxoval: sexagem fetal! Com apenas 8 semanas de gestação, um simples exame de sangue já consegue detectar se é menino ou menina!

Confira os principais exames laboratoriais para realizar durante a gestação!

👶 Hemograma: é útil para detectar, principalmente, anemias e infecções;

👶 Tipagem sanguínea: se a gestante for Rh negativo é importante que ela, logo após o parto, receba soro anti-D para evitar que em uma gravidez futura haja produção de anticorpos contra as hemácias do feto;

👶 Glicemia em jejum e pós-dextrosol: avaliam o nível de glicose (açúcar) no sangue e detectam/monitoram a diabetes gestacional. Filhos de mamães diabéticas têm maior probabilidade de se tornarem adultos diabéticos;

👶 TSH e T4 livre: avaliam a tireóide da gestante. O hipotireoidismo da mamãe na gestação pode afetar discretamente o sistema neurológico do bebê;

👶 Urina rotina, uréia e creatinina: avaliam a função renal;

👶 Urocultura: identifica a presença de bactérias, responsáveis por infecções urinárias muito frequentes nas gestantes;

👶 Proteinúria: indicado para gestantes com hipertensão para avaliar se está havendo dano aos rins;

👶 Toxoplasmose IgG e IgM: identificam se a gestante já teve contato com o protozoário Toxoplasma gondii, que pode causar doenças congênitas na criança, inclusive cegueira, surdez e danos ao sistema nervoso;

👶 Rubéola IgG e IgM: identificam se a gestante já teve contato com o vírus da rubéola, que pode causar doenças congênitas no feto, inclusive cegueira, surdez, problemas cardíacos, retardo mental, entre outras doenças;

👶 VDRL e FTA-ABS: avaliam a imunidade da gestante contra a bactéria Treponema pallidum, causadora da sífilis. A sífilis pode provocar aborto espontâneo, parto prematuro e sífilis congênita, com alterações oculares e auditivas, além de retardo mental;

👶 HIV, anti: a detecção precoce do HIV é importante para evitar a transmissão do vírus à criança pela mãe, que, se soropositiva, já deve iniciar o tratamento na gestação;

👶 HCV, anti: a transmissão do vírus da mãe para o filho ocorre em cerca de 5 a 6% das gestações, geralmente em mães soropositivas para HIV também. A detecção do HCV na mãe é importante para o acompanhamento da criança após o parto;

👶 Citomegalovírus IgG e IgM: identificam se a gestante já teve contato com o citomegalovírus, que pode provocar abortos espontâneos;

👶 HBsAg: identifica de forma precoce a hepatite B. O vírus da hepatite B não causa doenças congênitas, mas é indicada a vacinação do recém-nascido de mães soropositivas para hepatite B antes da amamentação. O objetivo é evitar uma possível infecção da criança!

Conte com o Gerardo Trindade para cuidar da sua saúde!


Sexagem Fetal

Quais papais e mamães não ficam curiosíssimos para saber o sexo do bebê assim que o teste aponta que estão “grávidos”? O prazer de poder já chamar o pequenino da barriga pelo nome, escolher as roupinhas adequadas, ou até mesmo decorar o quarto de acordo com o sexo do bebê , são desejos de quase todos os pais.

O que acontece, na maioria das vezes, é que papai e mamãe tem que esperar até mais ou menos a décima terceira semana de gestação para realizar uma ultrassonografia e, assim, saber o sexo do bebê. E tem ainda o risco do bebê ser muito “tímido” ou “travesso” ficando de perninhas fechadas, dificultando a visualização do sexo na ultrassonografia.

Para os papais e mamães mais ansiosos, já existe um exame realizado a partir da décima semana que aponta o sexo do bebê com quase 100% de acerto. Esse exame chama-se Sexagem Fetal e não é um exame invasivo.

A sexagem fetal é feita pela amostra de sangue da mamãe. Não precisa de jejum e nem de preparação anterior ao exame. Retira-se mais ou menos 20 ml de sangue da mamãe, através do qual é analisado o DNA do feto. No plasma materno existe DNA do feto transferido pela placenta, é esse DNA que é analisado para saber se existe ou não o cromossomo Y.

A mulher tem dois cromossomos sexuais X e o homem tem um cromossomo X e um Y. Se no DNA do feto for encontrado um cromossomo Y pode-se dizer que será um menino. Se não houver esse cromossomo, será uma menina.

No caso de gêmeos, o resultado positivo para “Y” significa que ao menos um dos gêmeos será menino. Se o resultado der ausência de cromossomo “Y” pode-se dizer que ambas são meninas.

A Sexagem Fetal tem quase 100% de acerto se for realizado a partir da décima semana gestacional. Antes há maior risco de erro. Um cuidado importante para que não haja erro no exame é que a pessoa que irá colher o sangue da mãe e que manipulará a amostra seja mulher, para evitar a possibilidade de contaminação da amostra com o cromossomo “Y”.

No Brasil, esse teste é usado somente para a identificação do sexo dos bebês, mas a metodologia de avaliação do DNA fetal circulante no sangue da mãe também pode ser usada para identificar algumas doenças, substituir outros exames que são mais invasivos e até para a realização do cariótipo fetal. É o chamado de teste pré-natal não invasivo, que possibilita o diagnóstico precoce de, por exemplo, síndrome de Down (alteração no cromossomo 21) e síndrome de Edwards (alteração no cromossomo 18).

CUIDADOS NA GRAVIDEZ: ALIMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO DO BEBÊ

O crescimento do bebê no útero acontece muito  rapidamente e para gerenciá-lo junto às mudanças físicas do seu corpo é necessário consumir mais nutrientes. Isso porque é o  seu corpo que fornece todo o oxigênio e os nutrientes para o crescimento do bebê, além de auxiliar no desenvolvimento das células da mama e do útero. Por isso, é fundamental atenção aos nutrientes, como minerais, calorias e vitaminas.

Ler mais